Beleza e Saúde

Como é o jejum intermitente e quais os seus benefícios para o organismo

Caracterizado como uma dieta, como qualquer outra, o jejum intermitente tem conquistado, cada vez mais, celebridades. Isso porque, diferente das demais, não necessita de cálculos de calorias, entre outros aspectos. Assim, muitos são aqueles aderindo a este tipo de plano alimentar, que necessita de um acompanhamento médico adequado para ser realizado e não proporcionar malefícios à saúde do indivíduo.

Jejum intermitente: o que é? 

A concepção de realizar um jejum para garantir a perda de peso passou a ficar famosa a partir de 2013, quando Michael Mosley, médico inglês, lançou o livro “A Dieta de 2 Dias”. Com isso, esta dieta se popularizou. Em sua publicação, o médico propunha um método de 5 para 2, isto é, durante 5 dias o indivíduo poderia se alimentar normalmente e sem exageros, e realizar o semi jejum durante 2 dias. Pontua-se sem jejum, pois segundo Mosley, os homens poderiam consumir até 500 calorias e as mulheres, 600. 

Mesmo tendo sido seguida por celebridades como Gwyneth Paltrow, Jennifer Aniston e Jennifer Lopez, é recomendado que este plano alimentar seja seguido apenas por pessoas saudáveis. Dentre os diversos tipos de dietas, o intermitente jejum se destaca por necessitar de cálculos e ser simples de entender. Além disso, ao envolver os períodos de jejum, este plano alimentar possibilita a escolha entre água, chá ou café, sem açúcar, durante o período sem se alimentar. Contudo, não há uma única fórmula para a realização do jejum que, conforme foi se popularizando, estipularam-se janelas alimentares diferentes. 

Tipos de jejum intermitente

Variando de acordo com a duração do jejum e a quantidade de vezes que ele se repete durante a semana, o jejum intermitente divide-se em algumas subclasses, e a escolha de qual seguir vem de acordo com a orientação de um profissional adequado, como um médico endocrinologista. 

Abaixo listamos os principais tipos de jejum intermitente: 

– 5 dias para 2: o método mais comum de jejum intermitente, conforme Michael Mosley. Este tipo consistiria em comer normalmente durante 5 dias da semana e escolher 2 dias para reduzir a quantidade de calorias. 

– 36 horas: este tipo consiste em ficar 36 horas em jejum, isto é, um dia e meio sem comer. Ressalta-se que este método deve ser realizado por pessoas que possuem maior familiaridade com o jejum. 

– 24 horas: podendo ser feito de 2 a 3 vezes por semana, consiste em ficar um dia inteiro sem se alimentar. 

– 16 horas: incluindo o período de sono, este tipo consiste em ficar entre 14 e 16 horas sem comer e nas outras 8 horas do dia, alimentar-se normalmente.

Quais são os benefícios do jejum intermitente?

Diversas são as pessoas que buscam emagrecer com o jejum E por ser caracterizado como uma dieta, o jejum intermitente se pontua, principalmente, pela sua capacidade de garantir a perda de peso. Contudo, vários estudos apresentam o jejum intermitente a uma possível redução de doenças cardíacas e câncer. Um estudo realizado nos Estados Unidos, há três anos, por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia, apontou que, ao realizar os experimentos em camundongos, os resultados mostraram que realizar de dois a cinco dias de jejum por mês reduziam os riscos de diabetes, câncer e doenças do coração nestes animais. 

Outro artigo, publicado no Annual Review of Nutrition, em 2017, apontou que os planos alimentares que limitavam refeições eram capazes de resultar na regulação do metabolismo, por meio de efeitos no ritmo circadiano, modificações no estilo de vida e na microbiota do intestino. 

Jejum intermitente faz mal ou bem para a saúde? 

Por mais que alguns estudos indiquem benefícios do jejum intermitente à saúde, este tipo de dieta é polêmico entre os especialistas. Isso porque há estudos que apontam malefícios de seguir este tipo de dieta, como um maior risco de desenvolver diabetes tipo 2. Porém, como um estudo publicado no The New England Journal of Medicine pontuou, há indícios de benefícios em ficar algumas horas por dia sem se alimentar.  

Contudo, isso não significa que qualquer pessoa possa aderir a este tipo de plano alimentar. Em casos de gravidez, amamentação, histórico de anorexia ou bulimia, diabetes ou outra condição que há a necessidade de atenção aos níveis de açúcar no sangue, é recomendado que esta dieta seja evitada. A contraindicação também ocorre em casos de anemia, hipertensão, insuficiência renal, pressão baixa, entre outras condições que, por exemplo, necessitam do uso de medicamentos controlados diariamente. Além disso, os benefícios do jejum intermitente não se aplicam para todos, o que também apresenta a importância de antes de iniciar este regime, buscar orientação médica adequada. 

Como fazer jejum intermitente?

Como mencionado, o jejum intermitente deve ser realizado com um acompanhamento médico. Isso porque, nada mais relevante do que um médico endocrinologista e/ou um nutricionista para te auxiliar a estipular uma alimentação balanceada e sem exageros. 

Abaixo, algumas dicas que podem auxiliar no jejum intermitente: 

– Realize o jejum gradualmente: conforme Michal Hertz, nutricionista da cidade de Nova Iorque, se inserir na dieta diretamente, sem um período de adaptação, pode proporcionar fome e desconforto. Por isso, recomenda-se que seja iniciado devagar, devendo iniciar com poucos jejuns durante a semana e depois ir aumentando gradualmente. 

– Entenda a sua fome: a fome não necessariamente significa que você está faminto. Há casos em que esta sensação é dada devido ao tédio, por exemplo. Por isso, é muito importante entender a diferença entre precisar comer e querer comer. Contudo, se você estiver se sentindo fraco ou tonto, pode-se caracterizar como uma necessidade de parar de jejuar. 

– Não se esqueça da hidratação: não por acaso, água, chás e café, sem açúcar, são permitidos no jejum intermitente. Uma boa opção para o consumo de chás, por exemplo, é o Matchá da Puravida, um chá vegano, sem aditivos e antioxidantes. A hidratação é necessária e recomendada por especialistas, devendo de 2 a 3 litros de água serem consumidos durante o jejum. 

– Mantenha refeições equilibradas: é muito importante optar por alimentos que mantenham uma dieta balanceada. De nada adianta realizar o jejum e, ao poder comer novamente, optar por alimentos prejudiciais ao organismo. A Glutamina Premium da Puravida é uma opção para aqueles que buscam suplementar a glutamina, um importante aminoácido que, segundo um artigo publicado em 2017 pela International Journal of Molecular Sciences, é capaz de garantir a melhora da saúde intestinal e gerar energia (ATP), auxiliando na manutenção da permeabilidade intestinal.

Este post foi escrito especialmente para Fernando Pimentel e é mais uma iniciativa da Puravida em seu propósito de apresentar os benefícios da prática de um estilo de vida saudável. 

Similar Posts

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *